4 conselhos para começar a ser mais assertivo

Fátima GonçalvesHead of Talent & Inovation Head of Learning & Development Solutions at CEGOC
S9-BLOG-DPP-680X250_v2

A assertividade é uma competência que requer prática. Neste artigo, damos-lhe alguns conselhos para ser mais assertivo.

Recomeçamos este tema precisamente no mesmo ponto em que ficámos no artigo anterior.

Através da assertividade, contactamos connosco próprios e com os outros. Tornamo-nos seres humanos reais, com ideias reais, diferenças reais… e defeitos reais. E admitimos tudo isto. Não tentamos ser o espelho dos outros, nem tentamos abafar a singularidade dos outros. Não tentamos parecer perfeitos, tornamo-nos nós próprios. Permitimo-nos a nós próprios estar ali.

Robert Paterson,

Como ser mais assertivo?

Algumas ideias para dar o pontapé de saída:

1. Comece com calma.

Não se escala uma montanha sem ler um manual, nem sem praticar numa rocha antes de passar para picos maiores. Começar sem preparação é sujeitar-se a falhar. Paterson sugere tentar ser assertivo em situações de média tensão, por exemplo, pedir para se sentar numa mesa diferente da que lhe atribuírem num restaurante. E depois, suavemente, passar para situações mais densas, tal como falar com o seu cônjuge sobre problemas de infidelidade.

2. Aprenda a dizer não.

As pessoas acham que dizer “não” é egoísta, mas… não é. Antes pelo contrário: definir limites saudáveis é importante para ter relações saudáveis. Descubra formas de preservar os seus limites e de não ser um yes man.

Assertividade
Comunicar de forma assertiva para promover o entendimento, fomentar os acordos e o desenvolvimento através do feedback

3. Não se sinta culpado.

Ser assertivo é uma tarefa que se pode revelar complicada – especialmente se tiver sido passivo ou um yes man a maior parte da sua vida. Nos primeiros tempos pode parecer enervante. Mas lembre-se que ser assertivo é crucial para o seu bem-estar. “Um comportamento assertivo que envolva defender-se a si mesmo de uma forma que respeite o outro não é errado – é um autocuidado saudável”.

4. Expresse necessidades e sentimentos.

Não assuma que os outros sabem automaticamente do que precisa. Tem que lhes dizer de forma específica, clara, honesta e respeitosa. Pegando no exemplo de pedir comida num restaurante: você nunca pediria apenas “uma sandes”. Em vez disso, pediria “um pão de centeio com atum, queijo e tomate”. Use frases começadas por “Eu”, pois geralmente tornam as pessoas menos defensivas. Em vez de dizer “Não fazes ideia de como é a minha vida, só pensas em ti” pode optar por “Estou exausto e preciso de mais ajuda com as crianças”.

Deve focar-se no problema real e não nos atritos do momento. Se há um motivo para estar chateado, não tente escondê-lo e colocar as culpas em outras coisas. Seja específico e diga porque está assim e o que pretende.

Escrito por

Fátima Gonçalves

Licenciada em Psicologia pelo ISPA (pré-Bolonha). Mestrado Integrado em Psicologia (pós-Bolonha).Consultora Gestora de Projetos nas áreas de Desenvolvimento Pessoal; Comunicação e Técnicas de Expressão; Liderança e Desenvolvimento de equipas; Responsável pela área de Formação Pedagógica de Formadores. Certificação em Coaching pela Escola Europeia de Coaching (programa homologado pela ICF);Formadora Certificada para produtos FranklinCovey;Certified Executive Coach pela FranklinCovey/Columbia University Executive – Coach Certification Program (Salt Lake City – EUA).
Saiba mais
newsletter image

Receba as nossas newsletters

Fique a par de todas as novidades que temos para si!

Subscreva aqui!