Setor da Indústria Naval

O que se entende por Indústria Naval?

A Indústria Naval abarca a construção de novas unidades operacionais navais, bem como a sua reparação, conversão e manutenção. Para além dos estaleiros navais, inclui a indústria da defesa (frotas militares e da Marinha de Guerra), a construção de plataformas offshore (barcos de apoio e estruturas para exploração e produção de petróleo e gás natural em alto mar), e a marinha mercante (transporte de carga e de passageiros para fins recreativos, de pesca, desportivos, entre outros).
O transporte marítimo movimenta cerca de 90% de toda a carga global – e aqui o Porto de Xangai, na China, mantém há mais de 10 anos consecutivos a sua posição de liderança como o porto mais movimentado do mundo! Em Portugal, a Associação das Indústrias Navais (AIN) representa este setor estratégico; e no plano Europeu, a AIN é membro da SEA Europe – Shipyards and Maritime Equipment Association, participando ativamente na discussão e construção de políticas para o setor.

Quais os principais desafios deste setor?

O setor debate-se com alguns desafios críticos, nomeadamente a escassez e a “fuga” de recursos humanos qualificados (por questões de remuneração, progressão de carreira, entre outras); o envelhecimento da força de trabalho e das infraestruturas fabris; a regulamentação desatualizada; o impacto das questões ambientais (o transporte marítimo internacional é responsável por 3% das emissões globais de gases com efeito de estufa); e ainda a concorrência “desleal” de alguns países com custos de produção muito baixos.De lembrar também o aumento do custo das matérias-primas, causado pelas disrupções que estão a acontecer no setor do “shipping”.Os players deste setor estão atualmente focados no recrutamento e na retenção de talentos, bem como na formação e qualificação de colaboradores especializados, de forma a manterem a sua relevância e competitividade na cadeia de valor global da indústria.

Quais as principais tendências da Indústria Naval?

Sabia que um navio de cruzeiro possui mais de 900 000 componentes distintos? Pela sua enorme complexidade, a Indústria Naval precisa de continuar a otimizar sistemas eficazes e competências organizacionais rigorosas, que lhe permitam gerir um grande volume de informação, desenvolver planos de produção, controlar materiais e combustíveis e atingir altos padrões de qualidade na produção de componentes.
As oportunidades no setor prometem florescer em vários segmentos de mercado em expansão global, entre eles: as compras online e o crescimento do transporte de encomendas por via marítima (que vão exigir maiores níveis de capacidade, rendimento e segurança); a conversão de navios de passageiros e embarcações de recreio de nicho, como cruzeiros, mega-iates, ferries, navios residência e hotéis flutuantes (o que contribui para a multiplicação de softwares de modelação, planificação e impressão 3D); e o acesso seguro a navios e estruturas offshore. Destaque ainda para as políticas de sustentabilidade e “Green shipping”, marcadas não só pela descarbonização progressiva dos transportes marítimos (através de sistemas de propulsão elétrica por baterias, hidrogénio ou energia solar), pelos novos sistemas de tratamento de água de lastro, dos gases de evacuação e dos detritos resultantes da reciclagem e desmantelamento de navios, como também pela regulamentação atualizada para a proteção da saúde humana, dos ecossistemas marinhos e da biodiversidade.